18/07/2022

Texto de infográfico: como uma empresa de tecnologia B2B pode demandar esses conteúdos (e pré-requisitos)

Texto de infográfico: como uma empresa de tecnologia B2B pode demandar esses conteúdos (e pré-requisitos)

Infográficos são conteúdos irresistíveis, muito atrativos, que a gente bate o olho e sem perceber já está chegando no final. Eles fazem qualquer um entender rapidinho até os temas mais complexos. 

Não à toa, funcionam super bem no marketing de conteúdo! 

Eles podem abordar os mais diversos assuntos e são adequados tanto para as personas mais tradicionais, quanto para as descoladinhas. E por isso mesmo estão entre os formatos mais adotados. 

De acordo com o State of Marketing Report 2021, estudo anual da Hubspot, 45% das empresas usam infográficos em suas estratégias

Assim, eles ocupam o 4º lugar no Top 5 dos formatos mais utilizados, ao lado de videos (59%), blog posts (48%), imagens (46%) e cases de sucesso (42%). Além disso, também geram ótimos resultados: 56% dos entrevistados afirmam que são o tipo de conteúdo mais eficaz

Então, que tal aprender a escrever um texto de infográfico incrível? Neste post vamos explicar as especificidades desse formato e dar algumas dicas para demandar um conteúdo desse tipo. Vamos lá?

O que é infográfico? E o que esse conteúdo tem de diferente?

Infográfico é um tipo de conteúdo que mistura texto, imagens e outros elementos visuais como ilustrações, gráficos, mapas, ícones, tabelas, quadros, setas e faixas para abordar um assunto de forma clara, sucinta e fácil de entender. 

Desta forma, mais do que em qualquer outro formato, o texto e as imagens são complementares em um infográfico. Ambos são fundamentais para que o leitor compreenda e absorva  o conteúdo. 

Em outras palavras: o texto não é o único meio de transmitir as informações e as imagens não são “só para ficar bonito”. Os dois são aliados. E é por esse motivo que demandar (ou até escrever) um texto de infográfico é um processo bem diferente do que o processo para um blogpost, por exemplo. 

A partir da combinação dos elementos, é possível:

  • explicar temas e processos complexos com diagramas;
  • destacar pontos importantes com imagens e cores;
  • apresentar dados utilizando diferentes gráficos (setores, barras, colunas, linhas);
  • criar abordagens lúdicas, como passo a passo e linhas do tempo; 
  • demonstrar contextos por meio de ilustrações e mapas; 
  • comparar aspectos distintos com tabelas e listas. 

Esses são apenas alguns exemplos de como a construção de um infográfico pode contribuir para o entendimento rápido dos leitores sobre um assunto. 

Por fim, uma outra característica é sua unidade. Ao contrário de um e-book, que é dividido em diversas páginas, o infográfico concentra as informações em uma única página, geralmente na posição vertical. 

Isso influencia bastante na estruturação das informações e é um fator bem relevante para se levar em conta na hora de construir a pauta. Isso porque este não é organizado da forma tradicional um parágrafo depois do outro —, mas sim fragmentada, sempre combinada com os elementos visuais.

Embora todas essas qualidades tornem o infográfico um tipo de conteúdo muito interessante, nem sempre ele é a melhor opção. Vamos entender o motivo a seguir, continue acompanhando!

Quando faz sentido criar infográficos?

Verdade seja dita: nem todos os assuntos caem bem em um infográfico. 

Alguns são mais difíceis de traduzir para uma linguagem visual, enquanto outros se encaixam perfeitamente. E está tudo bem! É assim mesmo. O nosso objetivo é saber identificar qual formato é mais adequado para cada temática. 

Você já deve ter passado algum perrengue para escrever dados de uma pesquisa sem abrir margem para más interpretações ou ambiguidades. Ou então sofreu para explicar um conceito complexo de forma clara sem precisar de três páginas para isso. 

Pois é, você certamente sabe do que estamos falando: seria muito mais fácil com imagens, gráficos ou desenhos de apoio. Quando este for o caso, crie um infográfico!

Algumas perguntas que podem ajudar a entender se o tema rende um infográfico legal são:

  • Consigo abordar esse assunto de forma concisa e resumida?
  • Posso dividi-lo em pequenos blocos de conteúdo?
  • Tenho dados sobre esse assunto?
  • Existem elementos visuais que vão facilitar a compreensão?

Se a maioria das respostas forem positivas, siga em frente. 

Por outro lado, alguns assuntos são mais densos e pedem um texto longo para desenvolver e expor bem as ideias. 

Embora também possa ser extenso e aprofundado, o infográfico utiliza uma linguagem visual e objetiva — o que não combina com grandes blocos de texto. Nestes casos, é melhor utilizar outros tipos de conteúdo, como artigos e e-books. 

7 tipos de infográficos e exemplos para inspirar

Mas nem sempre é tão simples encontrar a melhor forma de abordar um tema com uma linguagem visual.  Por isso, listamos alguns exemplos de conteúdos que funcionam super bem em infográficos (e que podem ser analisados antes de você pautar esse tipo de material). Confira:

  • Pesquisas e dados: São perfeitos para infográficos. Seja para apresentar os resultados de um único estudo, seguindo a linha da visualização de dados, seja para reunir diversos números referentes a um mesmo tema, como neste infográfico da Hubspot.
  • Conceitos e assuntos que podem ser explicados com metáforas: Uma imagem pode facilitar muito a fixar um conceito, como este sanduíche do B2B, criado por Scott Trobaugh.
  • Passo a passo: Ideal para explicar processos longos, complexos ou etapa a etapa. Veja esse passo a passo de SEO Copywriting, criado por Samuel Schmitt. 

E então, o que você achou dessas ideias?  Criar infográficos exige bastante criatividade e um repertório visual vasto.

Por isso, vale uma dica: busque referências e guarde as que você achar melhores, o Pinterest é uma ótima ferramenta tanto para descobrir quanto para arquivar. Acredite, vai ajudar muito na hora de trazer referências! Que tal entender mais sobre isso a seguir?

O que deve-se esperar de um texto de infográfico? 

Como vimos lá no início, escrever um texto de infográfico é bem diferente do que redigir um blogpost ou um e-book. Por isso, trouxemos algumas dicas dos pré-requisitos básicos desses materiais. 

O conteúdo precisa começar pelo visual 

Sim, sabemos que a base do conteúdo é o texto. Mas, mesmo que você não seja a pessoa responsável pelo design ou pelo texto, é fundamental começar pensando na estrutura e nas imagens que irão compor o infográfico.  Alguns pontos importantes são:

  • Defina primeiro qual será o tipo — passo a passo, lista, comparação, visualização de dados, etc;
  • Busque referências de infográficos com o mesmo tipo e temática. Isso ajuda a ter ideias de elementos visuais que você pode utilizar e de como organizar as informações;
  • Tenha um esboço inicial da estrutura, pensando como você irá dividir o conteúdo e quais serão os blocos de texto. 

Há muitas ferramentas disponíveis para criar infográficos. Então, aproveite e explore a criatividade! Algumas opções são o Canva, VIsme, Infogram e Venngage (que tem uma biblioteca de templates super completa).

Você também pode utilizar bancos de imagem como o Shutterstock para buscar referências —  além, é claro, do Google Imagens. 

Boa coleta de dados

Antes de começar a produção, é bem importante estar bem servido de dados sobre o tema que será tratado. Além de enriquecerem o conteúdo, eles são impactantes e chamam muito a atenção dos leitores. 

Uma dica bacana (e que pode ser repassada para a pessoa redatora) é já pensar qual a melhor forma de apresentar esses dados. Se ele for muito relevante, pode ganhar destaque, ocupar um espaço maior ou ter uma cor diferente. Se tiver um conjunto de dados, é importante pensar na melhor visualização. Explore os diferentes tipos de gráficos! 

De qualquer forma, procure sair do óbvio: nada de deixar um dado importante perdido no meio de um bloco de texto, sem chamar atenção nenhuma, viu?

Estrutura bem construída

Já foi feito um esboço da estrutura lá no início, certo? Na produção do conteúdo, é importante seguir a lógica dessa estrutura. Ela não deve ser uma camisa de força, é claro. A pessoa redatora pode fazer adaptações e ir construindo conforme a evolução do texto. 

Porém, é importante pensar em uma narrativa com início, meio e fim — sem esquecer de incluir a parte visual! Da mesma forma que um artigo ou e-book, é essencial que o infográfico tenha coerência, ou seja, que todos os elementos conversem entre si e façam sentido. 

Outro fator relevante é a hierarquia. É preciso escolher com sabedoria qual informação vem antes e qual vem depois. A pessoa redatora precisa hierarquizar o que é mais relevante sobre o assunto e priorizar essas informações. Isso faz toda a diferença. 

Divisão do texto 

Um dos erros mais comuns ao criar infográficos é escrever demais. Normal, pois muitas vezes é difícil enxergar o espaço que o texto vai ocupar no resultado final. Três linhas no editor de texto podem parecer pouco, mas na hora do design elas parecem multiplicar o tamanho. 

Para evitar que o texto domine o infográfico, a melhor estratégia é quebrar em blocos. Isso pode ser feito de diversas formas: pequenos parágrafos, tópicos, listas, tabelas, uma palavra ou frase associada a um ícone. 

Seja uma pessoa sucinta e trabalhe seu poder de concisão!

“Show, don’t tell”

Você conhece essa técnica de escrita? O “mostre, não conte” se refere à descrição nos textos. É mais interessante mostrar que Terezinha estava com sono descrevendo um baita bocejo do que apenas escrever “Terezinha estava com sono”. 

Podemos transpor essa ideia para o infográfico, mas aqui aproveitando os elementos visuais. Não gaste texto para descrever ou explicar algo que pode ser uma ilustração, um gráfico ou um diagrama, por exemplo. Se der para mostrar, mostre! 

Textos de infográficos não são apenas palavras

No fundo, todas as dicas que trouxemos aqui querem dizer apenas uma coisa: o texto de infográfico vai além das palavras. Quanto mais você conseguir combinar o texto com os elementos visuais, melhor será o infográfico. 

É preciso ser criativo? Sim! Mas, mais do que isso, é crucial ter repertório visual. Então, para fechar, a dica é: tenha sempre boas referências na manga. Assim, com certeza você vai criar conteúdos irresistíveis. 

Se esse post  foi útil para você, continue acompanhando o blog da Dialetto! E se você busca especialistas para produzir infográficos de qualidade, fale conosco.


Sobre o autor

Rodrigo Lóssio

Receba informações
e notícias em seu e-mail

Li e aceito os termos da Política de Privacidade